DEBORA GAROFALO ENTRE OS DEZ MELHORES PROFESSORES DO MUNDO

BRAZIL
Debora Garofalo conseguiu diminuir a evasão escolar infantil aplicando estrategia de ensino com robótica a partir de sucatas. A professora é também reconhecida por ter retirado pelo uma tonelada de lixo das ruas de São Paulo.

O Global Teacher Prize premia os professores que contribuem com o avanço educacional, e criam sistemas que possam ser aplicados em uma escala global.

Hoje às 12h (horário de Brasilia) será anunciado o vencedor, e uma brasileira está em destaque:Debora Garofalo.

"É uma honra e uma responsabilidade. Afinal, a gente ainda tem no Brasil esse tabu de que mulher não deve mexer com tecnologia" (Foto/Reproducao)
“É uma honra e uma responsabilidade. Afinal, a gente ainda tem no Brasil esse tabu de que mulher não deve mexer com tecnologia” (Foto/Reproducao)

Os concorrentes são professores que atuam em comunidades de todo o mundo, e que de alguma forma, mudam as perspectivas da educação em sua comunidade.

A Varkey Foundation, organização que premia os educadores, acredita que a educação é um fator importante para mudar as politicas sociais e econômicas, e permite o acesso ao desenvolvimento.

“A educação é uma poderosa estrategia para diminuir a pobreza e conflitos.”

A Brasileira Debora Garofalo, professora de tecnologias ma das escolhidas para concorrer ao prêmio, se sente confiante em levar ao mundo, sua perspectiva, colaboração e incentivo que ajudam a formação de um indivíduo promissor e sustentável.

Debora ensina na Escola Ary Parreiras, e está na disputa pelo premio de um milhão de dolares nos Emirados Arabes.




O projeto “Robótica com sucata promovendo a sustentabilidade” deu a Debora o reconhecimento pelo recolhimento de mais de uma tonelada de lixo das ruas, e ressalta suas abilidades com as crianças carentes da periferia de São Paulo.

Com sua visão sustentável, Debora conseguiu diminuir a evasão escolar infantil e alcançou o top 10 da premiação que teve mais de dez mil inscritos de 179 paises.

Debora e alunos da Escola Ary Parreiras, em São Paulo. (Foto/Reproducao)
Debora e alunos da Escola Ary Parreiras, em São Paulo. (Foto/Reproducao)

A primeira Sul-Americana a concorrer ao prêmio, disse ao G1 que está honrada em representar as mulheres diz que o Brasil ainda tem um tabu sobre mulher “mexer com tecnologia”.

“É uma honra e uma responsabilidade. Afinal, a gente ainda tem no Brasil esse tabu de que mulher não deve mexer com tecnologia. Eu fui muito duramente criticada nos primeiros meses do trabalho. Então, é uma honra representar a classe feminina, mas não só ela, mas também os professores, que também devem dizer ‘a gente pode ser o que a gente quiser”.

Com sua visão sustentável, Debora alcançou o top 10 da premiação que teve mais de dez mil inscritos de 179 paises. (Foto/Reproducao)
Com sua visão sustentável, Debora alcançou o top 10 da premiação que teve mais de dez mil inscritos de 179 paises. (Foto/Reproducao)

Os projetos são selecionados através de criteios como inovação, que tenham resuldos visiveis e causam impacto positivo na comunidade onde foi aplicado.

Um outro criterio é, que o projeto incentive e ajude crianças e adolescentes de 4 a 18 anos a serem bons cidadãos, bem como melhorar a profissão do educador.

Veja também, a estória dessa empresária fantástica, de 13 anos, que tem um projeto para cuidar das abelhas.