Fonte: Reprodução Internet

INVADIRAM MINHA REDE…. O QUE POSSO FAZER?

BRAZIL, CELEBRITIES
A polêmica sobre a exposição íntima na internet se repete. A cantora Luísa Sonza, informou aos seus seguidores, em um vídeo, que teve seu celular invadido e uma foto íntima exposta na internet.

Em seus stories no Instagram, Luísa informou que seu perfil foi invadido, revelando uma de suas fotos íntima.

Mesmo chorando, ela gravou um vídeo, mas sugerindo que a situação não a abalaria, e também para expresar seu apoio as garotas que já passaram pela mesma situação.

Luísa Sonza (Foto: Danilo Borges)
Luísa Sonza (Foto: Danilo Borges)

A cantora, casada com o Youtuber Whyndersson Nunes, disse que seus advogados já foram acionados, na tentativa de agirem rápido a encontrar os responsáveis.

A Lei 13.718, de setembro de 2018, informa que é crime “oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha (…), sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia”.

Quem pratica qualquer um desses atos pode pegar de 1 até 5 anos de prisão.
De acordo com a lei, também deve ser aplicada a quem compartilhar as imagens.

Em uma entrevista para UOL, Juliana Cunha, a diretora de projetos especiais da ONG Safernet, afirma que já foram registrados pela ONG 332 casos de compartilhamento não consensual de imagens íntimas, e que 66% das vítimas são mulheres.

Fonte: Reprodução Internet
Fonte: Reprodução Internet

Juliana ainda dá o passo a passo do que fazer para denunciar e exigir que a lei seja cumprida.

“Primeiro, dê print em toda mensagem e postagem em que aparecer a foto ou o vídeo em questão.”

“Salve endereços de páginas. E se for compartilhamento em grupo de whatsapp , salve o contato das pessoas que fazem parte desse grupo, pois elas também serão investigadas.”

“ Denunciar a plataforma onde foi exposta solicitando a retirada, e denuncie o autor da postagem. Depois vá a delegacia e faça um boletim de ocorrência com todas as provas e prints que juntou.”

“Não precisa contratar advogado para continuar com o processo, pois a própria polícia dará andamento do caso com a obrigação de investigar a denúncia a partir das provas e podendo até mesmo solicitar os aparelhos da vítima para uma perícia.”




A diretora ainda salienta que esse tipo de crime é de violência grave e que muitas vítimas desenvolve doenças pós-traumático e algumas perdem o emprego e até sofrem assédio constante.

A Safernet ajuda milhares de pessoas que tiveram problemas ou que precisam de orientação para o uso das redes sociais. Em seu site os usuários poderão fazer denúncias anônimas e baixar diversos conteúdos com as dicas para evitar os crimes virtuais.