NUSRAT JAHAN QUEIMADA ATÉ A MORTE DEPOIS DE DENUNCIAR ASSÉDIO DE PROFESSOR

World
Uma adolescente de 19 anos foi queimada, numa escola de Bangladesh. Depois de acusar o diretor da escola, de assédio sexual, Nusrat Jahan, foi queimada até a morte.

Bagladesh, é um pais conservador, que fica no Norte da Ásia. A adolescente morava em uma pequena cidade, Feni, que fica a 160 Km de Dakha.

Nusrat Jahan Rafi, frequentava uma escola Islâmica (Madrassa), e teria acusado o diretor da escola, de chamá-la em sua sala, assediado e abusado dela sexualmente.

Segundo a BBC, ele teria filmado tudo com um celeular que pertencia à ele.

Nusrat: “O professor abusou de mim. Eu vou lutar contra esse crime, até meu último suspiro” (Foto: Arquivo de Familia)
Nusrat: “O professor abusou de mim. Eu vou lutar contra esse crime, até meu último suspiro” (Foto: Arquivo de Familia)

No dia 27 de Março, ela teria fugido da sala do diretor, horrorizada, quando ele a chamou e teria tocado no corpo dela de maneira inapropriada.

Com o apoio de sua família, Nusrat, foi até a delegacia de polícia, no mesmo dia, que foi supostamente abusada pelo diretor, e o acusou formalmente.

Na delegacia, Nusrat foi também filmada durante seu depoimento. O vídeo, que vazou na imprensa local, mostra a adolescente angustiada e tentando esconder o rosto com a mão.

No mesmo vídeo era claro um policial dizer que esse caso “não é grande coisa” bem como dizia pra ela retirar a mão do rosto.




O diretor foi preso, mas em seguida houve um tulmuto na cidade. Era um grupo de pessoas, incluíndo políticos, pedindo a soltura do diretor, da escola, que supostamente assediou sexualmente a aluna.

11 dias depois, no dia 6 de Abril, Nusrat, retornou à escola, para fazer as provas. Um colega de classe, a levou para o telhado da escola dizendo que outro colega estava sendo espancado.

Antes de morrer, Nusrat depos para a policia. Teria relatado que chegou ao telhado e teria sido cercada por quatro ou cinco pessoas, vestindo burcas.

Ela teria sido pressionada pra retirar a queixa contra o diretor. No entanto, Nusrat recusou, e foi encendiada.

Uma Multidão chegou a pequena cidade de Feni para companhar o sepultamente de Nusrat Jahan Rafi (Foto: SHAHADAT HOSSAIN)
Uma Multidão chegou a pequena cidade de Feni para companhar o sepultamente de Nusrat Jahan Rafi (Foto: SHAHADAT HOSSAIN)

O irmão de Nusrat a teria levado à escola, mas foi impedido de ficar com ela lá dentro. “Eu tentei levar minha irmã à escola, e tentei ficar la dentro, mas não me deram permisão” disse Mahmudul Hasan Noman.

Nusrat chegou ao hospital com 80% do corpo queimado. Inconformado, seu irmão, Mahmudul, disse à bbc “ Se eu não tivesse sido impedido de entrar na escola, isso não teria acontecido com minha irmã”.

Durante o trajeto até o hospital, ainda dentro da ambulância, Nusrat gravou um vídeo com o celular de seu irmão dizendo: “O professor abusou de mim. Eu vou lutar contra esse crime, até meu último suspiro”.

O caso de Nusrat tem sido bastante repercutido no país, e domina as notícias de Bagladesh até agora. O triste evento trouxe muitos protestos.

As pessoas estão usando o poder das redes sociais para expressar seu sentimento, de raiva, em relação a esse caso.

Protesto contra a morte de Nusrat )Foto: Getty Images)
Protesto contra a morte de Nusrat )Foto: Getty Images)

Depois da morte de Nusrat, 15 pessoas foram presas, acusados de participar do ataque e morte da estudante.

Entre eles estão sete acusados de participação direta na morte de Nusrta, dois estudantes que organizaram o protesto em apoio ao diretor e, o próprio diretor continua sob custódia da justiça.

O policial que gravou Nusrat. enquanto ela dava seu depoimento, foi afastado do cargo.

O Primeiro Ministro de Bangladesh mostrou-se abalado com o caso, e prometeu para Familia de Nusrat que todos os envolvidos na more da estudante iria ser trazido à justiça, e legamente punidos.